quinta-feira, 12 de novembro de 2009

*MEU JEITO*


Adoro dialogar, monologar não faz bem. Imponho minhas
idéias, mas acato dos outros também. Não sou apegada
a bens materiais, vivo o que vem e o que tenho no
momento. Sei me colocar com respeito; amadureci muito.
Busco a verdade e ignoro a mentira. Dependendo do
parceiro, me entrego de corpo e alma e não meço esforços
para viver intensamente minha relação. Enquanto
existir paixão, assim continua bem legal, com pura
emoção e encanto.

***Ana Maria Gonçalves***
(Essas duas fotos são minhas. Ana Maria)


*V A G I N I S M O*

Outra queixa muito comum nos consultórios é o vaginismo,
que causa a impossibilidade de a mulher ser penetrada
na hora do sexo. Nas tentativas, o parceiro pode
provocar dores muito fortes. Segundo o médico, a causa
é inconsciente. "É um tipo de condicionamento que o corpo
sofre a partir de emoções e pensamentos que ocorrem na
mulher desde a infância, impedindo que a entrada vaginal
se abra para a penetração. Ela não tem consciência do
fato, nem do processo, até reconhecer o problema e
buscar um tratamento que descondicione o seu corpo",
explica.

Algumas também desenvolvem o vaginismo depois de terem
tido uma fase de vida sexual satisfatória. De acordo
com Oswaldo, geralmente isso acontece após uma situação
traumática na cama. "Somente a psicoterapia permite
solucionar esse problema. Não adianta tomar relaxante
muscular e nem mesmo realizar uma cirurgia para
facilitar a penetração. Já os anestésicos apenas farão
com que o sexo não seja prazeroso", alerta.

(Psicoterapeuta Sexual, Oswaldo Rodrigues Jr)
(Revista 7DIAS COM VOCÊ)
(Imagem da internet)

2 comentários:

xistosa - (josé torres) disse...

Por vezes pensar em voz alta, para nós próprios (monologar) é ou será uma catarse.

Nem ginecologista, nem terapeuta sexual, poderão curar o que a mulher não quer (naqueles momentos).
Ser operada?
Tomar medicação para um problema mental.
Só se for para a entorpecer e depois ...
O casal (casados, amantes, namorados, seja o que forem) tem obrigação de ultrapassar essa fase.
Chama-se conjugação de esforços e relaxamento, com amor, carinho e carícias.
Bom dia e bom fim de semana.

Daniel Savio disse...

Para se entregar, basta ter intimidade com o parceiro...

Fique com Deus, menina Ana Maria.
Um abraço.