quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

*BEM-ME-QUER, MAL-ME-QUER*

Quem não despetalou uma margarida
para se assegurar de um certo amor?
Quem não guardou uma flor dentro do livro
pensando prender ali sua paixão?
Que namorado se esquece de mandar um buquê
de rosas vermelhas?
Desde sempre, flores e amores andaram juntos.
Conta-se que na Grécia antiga os amantes
mastigavam pétalas em busca de fluídos
energéticos e se rodeavam de jardins para
agradar Eros, o deus do amor. Na idade
Média, coroas de flores enfeitavam cabeças
de homens e mulheres em rituais pagãos de
paixão e hoje, por mais modernas que estejam
ficando as noivas, qual delas abre mão da
grinalda e do buquê na hora do sim?

DOCE PRAZER

Hummm... Que maravilha sentir o chocolate
derretendo na boca. Há quem compare esse
prazer com o proporcionado por um beijo
apaixonado. Exagero? Talvez. A verdade é
que, desde o século XVI, quando começou
a ser conhecido na Europa, o chocolate é
relacionado ao desejo, ao amor, à paixão.
Primeiro, na forma líquida- contam que a
exótica bebida costumava adoçar os
encontros de Luís XIV, da França, com
suas amantes. Hoje, aprimorado, na forma
de bombons inesquecíveis.

"Revista OÁSIS"

3 comentários:

A Flôr disse...

Oi Ana Maria! :-)

Que linda essa imagens, esse caminho ornamentado com túlipas vermelhas... lindo lindo lindo!... e o pormenor do vermelho do chapéu.. adorei essa imagem....

Teu cantinho continua gostoso... vou tentar dar um pulinho nos teus outros cantinhos....

Beijoquinhas e tem o resto de um bom dia querida

Flor

Daniel Savio disse...

Engraçado que sempre há o mito do trio para agradar uma mulher: bombons, flores e joias...

Mas cada pessoa é única, por isso não dá para ter certeza de tudo que agrada a pessoa amada, é meio tentativa e erro, mas o resultado compensa o esforço.

Fique com Deus, menina Ana.
Um abraço.

xistosa - (josé torres) disse...

Gosto muito de chocolate, mas mesmo muito.
Gosto de flores, (também muito).
Mas o amor, não tem sabor e tem todos os sabores, não tem cor, mas tem todas as cores e bebe-se inspira-se, ouve-se, sente-se e desfruta-se.
São coisas que a vida nos proporciona e não têm preço.